Escrevendo

Ela se aproximou e disse que queria apenas me sentir.
E eu pensei, se o sentir se configura em "apenas", que penar o meu! Quão pequeno é o meu toque...
Nada nunca se completava para ela.

E eu lhe roubei um beijo, precisava roubar-lhe um beijo ainda que ela fosse minha, precisei roubar aquele beijo, antes que outros ela pudesse me dar.

E eu sabia, existem coisas que mesmo embaladas pelo toque não alcançam o sentir, isso me fazia perceber que eu lhe tocava além do tato. Que sorte a minha! Eu tinha canções demais.
Ela, carências demais.

Eu lhe abraçei pelas costas e tentei lhe deixar segura a respeito de minha presença. Eu queria mostrar-lhe que eu era perfeito, se não fosse assim, ao menos ninguém seria melhor para ela que eu. Eu sempre soube ser preciso na vida de quem amo.

Uma trilha de sons nos ambientava e nos descobrimos um no outro, a letra era de tirar o fôlego e a voz de silenciar a alma em gemidos.

- Desfaz a minha trança, me assanha o cabelo, o juízo... me liquefaz os desejos pelos poros.

E fez calor.
E nos despimos, nos aquecemos ainda mais na solidão de sermos apenas nós dois.
Ela soprou a sua brisa contra a minha nuca, sussurrava aos meus ouvidos e eu sentia perder os sentidos em arrepios que se me percorriam a cervical.

Quando a calmaria tornou ao nosso leito oceânico, voltou como felino a roçar a pele contra a minha, tal gato se inserindo em meu colo e forçando um afago.
Ela me arrancaria todos os afago do mundo, apenas sorrindo...

E me despertando com um beijo, num outro lado do dia, disse que meus olhos sorriam mesmo enquanto eu dormia.
Eu, com os olhos de quem se delicia ante uma pintura, me alimentava de cada imagem sua, de cada nuance e do que não podia ser visto até, capturando o que não se expõe, mas meus olhos sentiam tanto que ardiam.

A fiz sorrir e me disse seu.

Só havia naquela hora um lugar que eu queria conhecer, suas curvas.
Me vesti de cegueira, fechando os olhos, tentando apenas lê-la em braile, mas em tua pele não haviam sinais, era a primeira vez que nos escrevíamos um no outro.
Foi apenas um capítulo. Uma página a cada dia e eu serei feliz. Não quero fazer de nós um Best Seller, a minha pretensão é meramente de fazer dela uma biografia de minha vida.

Amanheceu, apanho a caneta e sei, hoje ela será um pouco mais minha.

7 Comente ; ):

[Dan...]' disse...

Gente que coisa mais linda desse mundo. E, enfim, as coisas tomam os rumos certos, sempre.

Fabiana Amaral disse...

Deus sabe que a todo momento eu quis copiar esse texto. Sim, eu quis. Por isso, humildemente, eu peço permissão pra copia-lo toooodo e colocar lá no meu humiiiilde bloguinho.

Menina, que texto maravilhoso. Sem palavras. Ou melhor, vc usou todas com uma coerência espetacular.
Ufa.

Cecília disse...

fiquei bêbada com esse texto. minha sanidade voltou com a última palavra.
espetacular.

Philipe Santos disse...

Como Cecília disse, já pedindo perdão pelo plágio, fiquei BÊBADO com as suas palavras! Meus parabéns.
Maravilhoso texto!

Thita disse...

Garota... que texto lindo...
Você sabe escrever de forma apaixonante Ing...
Parabéns!

Larissa Santiago disse...

"me assanha o juízo" que lindeza.
um beijo flor e muitos bons momentos

Patarata disse...

Confissão:

Sabe aquele velho amor? Eu tentei. Eu tentei não deixar ele me perder, eu lutei o tempo todo prá continuar aqui, esperando. Eu dei o meu melhor, mas a vida tá chamando e eu tô perdendo as forças de lutar contra isso. Uma hora, o coração vai abrir, mesmo que eu tente ir contra isso, e ele vai me perder. E eu não vou poder impedir.